A utilização da Ultrassonografia Abdominal para o diagnóstico da doença do refluxo gastroesofágico em pediatria – Recomendação do Departamento Científico de gatroenterologia da Sociedade Brasileira de Pediatria.

Departamento de Gastroenterologia da Sociedade Brasileira de Pediatria
Drs.:

Mário Cesar Vieira
Cristina Targa Ferreira
Elisa de Carvalho
Luciana Rodrigues Silva
Mauro Batista de Morais
Rosane Costa Gomes
Sheila Nogueira Pércope Rodrigues Guerra
Vera Lucia Sdepanian

O termo refluxo gastroesofágico (RGE) descreve o retorno do conteúdo gástrico para o esôfago. Pode referir-se a uma condição crônica ou a um único episódio, e tem conotação tanto fisiológica quanto patológica. O RGE definido como o movimento retrógrado do conteúdo gástrico para o esôfago, é um fenômeno fisiológico normal que ocorre em indivíduos saudáveis. A maioria dos episódios é de curta duração, ocorre especialmente no período pós-prandial, não desencadeia sintomas e não ascende além do esôfago distal. A regurgitação, definida como a passagem do conteúdo refluído através da orofaringe, é comum durante a infância ocorrendo em 50% dos lactentes nos primeiros três meses de vida, em 67% entre os 4 e 6 meses, e em 5 a 10% daqueles entre os 10 e 12 meses1.

A doença do RGE (DRGE) propriamente dita refere-se à quantidade de refluxo e às complicações associadas. Nos pacientes apresentando quadro sugestivo de RGE fisiológico não há indicação de exames Subsidiários. No entanto, vários exames complementares têm sido utilizados para o diagnostico da DRGE em pediatria.  Os exames são úteis para documentar a presença de RGE patológico e de suas complicações, para estabelecer uma relação causal entre os episódios de RGE e sintomas, para avaliar a resposta ao tratamento e, para excluir outras enfermidades que causem manifestações semelhantes.Nenhuma investigação isolada é capaz de fornecer todas as informações necessárias e um dos motivos para o desenvolvimento de novas técnicas diagnósticas é que um único método não é capaz de identificar as diversas apresentações da DRGE e suas complicações.

Portanto a indicação dos mesmos deve ser criteriosa considerando-se as manifestações clínicas a serem investigadas assim como a limitação de cada método. Recentemente a utilização da ultrassonografia abdominal para o “diagnóstico de RGE” tem sido amplamente divulgada em diversas regiões do país. Este método foi proposto inicialmente tendo como argumento a vantagem de não ser invasivo e não envolver exposição à radiação2, entretanto este exame avalia apenas o refluxo pós-prandial.  A identificação de episódios de refluxo em períodos de 10-15 minutos não é uma informação útil, pois não há parâmetros de normalidade ou anormalidade uma vez que episódios de refluxo ocorrem naturalmente no período pós-prandial.

Assim, a observação da ocorrência de refluxo pela ultrassonografia abdominal não implica que o mesmo seja patológico e a utilidade deste método para o diagnóstico da DRGE não foi confirmada em estudos subsequentes3Deve-se destacar que este método pode ser útil na identificação de estenose hipertrófica do piloro, de má-rotação intestinal ou de outras doenças intra-abdominais, mas não para o diagnóstico da DRGE. Os membros do Conselho Científico de Gastroenterologia da Sociedade Brasileira de Pediatria, em consonância com a publicação mais recente que representa o consenso das orientações publicadas pelas Sociedades Européia (ESPGHAN) e Norte Americana (NASPGHAN) de Gastroenterologia, Hepatologia e Nutrição Pediátricas4, têm a seguinte posição:

No momento, não há indicação para a utilização da ultrassonografia abdominal na investigação de DRGE em crianças.

1.Nelson SP, et al. Prevalence of symptoms of GE reflux during infancy. Arch Pediatr Adolesc Med 1997;151:569-72.

2. Naik DR, Moore DJ. Ultrasound diagnosis of gastro-oesophageal reflux. Arch Dis Child. 1984 Apr;59(4):366-7.

3. Milocco C, Salvatore CM, Torre G, Guastalla P, Ventura A. Sonography versus continuous 24 hours oesophageal pH-monitoring in the diagnosis of infant gastroesophageal reflux. Pediatr Med Chir. 1997 Jul-Aug;19(4):245-6.

4. Vandenplas Y, Rudolph C. Pediatric Gastroesophageal Reflux Clinical Practice Guidelines: Joint Recommendations of the North American Society of Pediatric Gastroenterology, Hepatology, and Nutrition and the European Society of Pediatric Gastroenterology, Hepatology, and Nutrition. J Pediatr Gastroenterol Nutr 49:498-547, 2009.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s